16/01/2017

Eps favoritos de Black Mirror


Com certeza você já ouviu falar de Black Mirror. Não? Bom, então vá se atualizar um pouco, pois essa série ficou muito falada no final de 2016 após o lançamento de sua terceira temporada. Mas dando uma geral na série ela é uma antologia que faz uma "analise" da sociedade moderna. Os episódios são futurísticos e algumas vezes até distópicos, então quem gosta de tecnologia e ficção cientifica irá gostar bastante também. Então agora eu vou falar quais são os meus episódios favoritos da série, sem ordem de preferencia, e o motivo (tô fazendo isso pois eu falhei miseravelmente em fazer uma 'resenha' dela rs).

13/01/2017

Rocco: Novidades de Janeiro


Olá, olá! Janeiro já começou com tudo nas editoras, né? Mas aqui vão os lançamentos da parceira Rocco que trouxe nada mais, nada menos, do que Veronica Roth *-* quero



Fãs de Star Warse Divergente vão se surpreender com a nova e arrebatadora série de fantasia e ficção científica da autora bestseller internacional Veronica Roth.

11/01/2017

Resenha: Malícias & Delícias


Título: Malícias & Delícias
Autor(a): Tara Sivec
Editora: Valentina
Páginas: 304

CUIDADO: Esta história de amor pode matar você de tanto rir. Ah, e está escandalosamente lotada de porres homéricos e, hummm, sexo da melhor qualidade! Claire é uma espirituosa jovem de vinte e poucos anos que trabalha num bar (não era esse o plano, mas…) e, muito a contragosto, resolveu ajudar a melhor amiga (uma expert em malícias) a vender brinquedos eróticos bem safadinhos. Na verdade, seu sonho é viver de delícias, ou melhor, abrir uma confeitaria dedicada exclusivamente a doces, cookies e bolos feitos com muuuito chocolate. Quando Carter, um rapaz que conheceu numa festa de faculdade e com quem passou uma única noite (o suficiente para mudar sua vida para sempre!), reaparece na cidade sem demonstrar reconhecê-la, a não ser pelo profundo aroma de chocolate que Claire exala no ar, ela se mostra determinada – aaaai que loucura! – a fazê-lo nunca mais se esquecer dela. Só que existe uma terceira pessoa na relação (divertidíssimo, porém desbocado e inconveniente). Alguém que Carter desconhece e que, das duas uma: ou o obrigará a comprar uma passagem só de ida para o Polo Norte ou o fará o homem mais feliz do mundo!!!

Não se deixe enganar por essa capa. Sim, já falo logo de cara isso pois SEMPRE que surge o assunto desse livro a galera só comenta da capa. Eu sei que ela é bem feinha, eu mesma já julguei ela, mas sabe que no fundo ela combina com o livro? Tem esse tom todo cômico e tudo mais. E ainda bem que histórias não se fazem pelas capas e por isso eu digo: dê uma chance para a leitura de Malicias e Delicias e você poderá acabar se divertindo muito.

É muito difícil ler um livro onde todos os personagens me agradam cem por cento e fiquei muito feliz ao concluir a leitura me sentindo desta forma. Claire é uma mulher engraçada e apesar de um pouco imatura ela é muito responsável. Já no primeiro capitulo é possível sentir o clima que o livro vai levar pela forma como ela narra os acontecimentos da sua vida. O que eu mais amei nela é a forma como ela coloca na mesa todas as coisas sem medo de ser ridícula e julgada. Ela é verdadeira consigo mesma. Sério, a literatura precisa de mulheres assim. O livro não é narrado apenas por Claire, mas também por Carter o tal moço citado na sinopse que não vou revelar detalhes que não contém no texto pois é legal a forma a autora nos contou sobre determinadas coisas na obra. Carter é um cara super fofo e eu fiquei totalmente apaixonada por ele. Acho que todos os momentos que ele narrou eu acabei me divertindo muito mais pois tive a sensação de estar, de verdade, na mente de um homem. Quando ele estava com seus amigos e então conversam coisas que nós mulheres achamos idiotas, com brincadeiras bobas e piadas sujas. Foi ótimo de acompanhar.

09/01/2017

Resenha: Azeitona


Título: Azeitona
Autor(a): Bruno Miranda
Editora: Planeta
Páginas: 352

Ian e Emília não trocaram mais que duas palavras desde que começaram a estudar juntos, mas é o nome dela que vem à mente dele quando precisa de uma parceira para um plano mirabolante: participar de um reality show sobre casais adolescentes que serão pais. Isso em troca de um cachê capaz de resolver todos os seus problemas. Ian tem 16 anos e foi criado pela irmã, Iris, que precisou abrir mão de oportunidades na vida para cuidar dele. Agora, quando ela finalmente vai conseguir se formar na faculdade, ele se sente na obrigação de retribuir de alguma maneira. Emília, aos 17 anos, não quer retribuir nada a ninguém – pelo contrário, seu sonho é sair de casa o quanto antes para não discutir mais com a mãe, com quem sempre teve uma relação conturbada. O fato de que eles não são um casal nem têm planos de ter um bebê parece apenas um detalhe. Mas a vida reserva surpresas para quem acredita que é fácil inventar a própria história.

Desde que começou essa onda de livros de youtuber eu fiquei com um pé atrás com essas leituras. Ainda não tenho interesse nenhum em biografias ou algo do tipo deles, mas quando se trata de um livro de ficção não há motivo para não dar uma chance ainda mais sendo de um gênero que eu gosto, como é o caso de Azeitona do Bruno Miranda — o Bubarim. O momento que eu decidi que queria ler este livro foi quando o próprio autor fez um vídeo em seu canal falando sobre ele e lendo o primeiro capitulo que eu acabei achando bem engraçado. Se você já viu algum vídeo dele já viu o quanto o garoto é hilário sem ser forçado e posso dizer que ele conseguiu o mesmo com seu primeiro livro. Muitos momentos me vi rindo de Ian e Emília e das coisas que eles estavam fazendo, se metendo cada vez mais em uma encrenca que parece que não tem saída.

28/12/2016

Resenha: Boo


Título: Boo — Minha Vida Após a Morte
Autor(a): Neil Smith
Editora: Fábrica 231
Páginas: 336
Livro cedido para resenha pela editora
Oliver Dalrymple é o típico “looser” americano: aos 13 anos, magro e pálido como um fantasma, está mais interessado em biologia e química do que em esportes e vida social. Um dia, enquanto se recupera de um dos frequentes episódios de bullying de que é vítima recitando a tabela periódica em frente a seu armário, ele desfalece para sempre. E é aí que sua verdadeira vida começa. O “céu” onde Oliver acorda depois do que acredita ter sido uma parada cardíaca em função de um problema congênito chama-se Cidade e é povoado por pessoas que morreram aos 13 anos, como ele e seu colega de escola Johnny Henzel, que chega dias depois de Boo à Cidade, trazendo notícias perturbadoras sobre a causa da morte deles. Notícias que mudam para sempre a percepção de Oliver Boo sobre sua personalidade e seu lugar no mundo. Elogiado pela crítica e adorado pelos leitores, Boo é um romance cativante sobre amizade, confiança, bullying e a difícil tarefa de ser adolescente.

Com essa capa super fofa eu já me apaixonei de cara por esse livro, mas como dizer o quanto eu amei após concluir a leitura? Sabe aquele livro que te surpreende mas que não te deixa com raiva e nem com aquela sensação de desespero como alguns fazem? Bom, Boo é mais ou menos assim. Durante toda a leitura eu me senti curiosa para saber o que houve com Boo e Johnny e mesmo que ao longo da história várias coisas são reveladas o autor sempre conseguiu inserir mais um elemento para me deixar mais curiosa. Estranho falando assim, eu sei.

Ele é um garoto de 13 anos que morreu inesperadamente em frente ao seu armário na escola enquanto decorava a tabela periódica. Após sua morte ele acorda em um tipo de céu onde tem crianças de 13 anos e americanos. Neste local totalmente estranho e com alguns mistérios fora de lógica que só um menino que era considerado "nerd" pode achar alguma graça ele irá descobrir a beleza de ter amigos, o amadurecimento e principalmente aquilo que nós adultos sabemos tão bem: nem sempre a verdade é absoluta. Gostei de Boo pois mesmo morrendo tão cedo e mesmo que sua vida não tenha sido fácil antes de sua morte ele ainda tem um certo senso de humor e não se deixou abalar pelo que houve, mesmo após saber de toda a verdade.

21/12/2016

Uma pseudo-retrospectiva literária

Eu sei que dei uma boa sumida do blog nos últimos meses, mas é que desde que consegui um emprego as coisas ficaram corridas para mim e eu confesso que dei uma boa relaxada. Mas com o fim do ano chegando e com as novas promessas de ano novo eu vou tentar me organizar melhor e conseguir voltar ao ritmo normal do blog no próximo mês. Enquanto isso vou fazer uma pseudo-retrospectiva das leituras de 2016 até a data em que esse post esta sendo feito (17/12).



14/12/2016

Resenha: Vida e Morte


Título: Vida e Morte (Crepúsculo Reimaginado)
Autor(a): Stephenie Meyer
Editora: Intrinseca
Páginas: 391
O clássico de Stephenie Meyer revisitado 10 anos depois. Novamente, os leitores vão se apaixonar pela arrebatadora história de amor de Bella e Edward... ou, quem sabe, será uma primeira vez. A edição especial de aniversário inclui um conteúdo extra e exclusivo: Vida e morte, nova versão em que autora inverte o gênero dos principais personagens. Em Vida e morte os leitores vão se maravilhar com a experiência de ler a icônica saga de amor agora pelos olhos de um adolescente que se apaixona por uma sedutora vampira. Numa publicação ao estilo “vira-vira”, a edição comemorativa traz mais de 400 páginas de conteúdo extra, além da nova capa, com Crepúsculo de um lado e Vida e morte de outro. Os milhares de fãs de Bella e Edward não vão querer perder a oportunidade de ver seus tão queridos personagens em novos papéis.

Estou me sentindo bastante estranha aqui, com 25 anos, sentada na frente do meu notebook velho e quebrado para escrever essa resenha. Por qual motivo? Bom, eu li Crepúsculo pela primeira vez há mais ou menos nove anos e óbvio que me apaixonei pela saga. Foi a primeira que eu li e apesar de hoje em dia saber reconhecer seus defeitos ela ainda tem um lugar muito especial no meu coração, pois foi com ela que eu comecei a me interessar de verdade pela leitura. Então agora, tantos anos depois, eu tive a chance de reler essa história que tanto me marcou por um outro ângulo. de inicio não gostei da troca de gêneros mas não é que a coisa deu certo? Tia Steph me surpreendeu.