17/05/2016

Resenha: Fúria Vermelha

Título: Fúria Vermelha
Autor(a): Pierce Brown
Editora: Globo Livros
Páginas: 468
Onde comprar: Amazon
Mais informações no Skoob
Fúria Vermelha é o primeiro volume da trilogia Red Rising, e revive o romance de ficção científica que critica com inteligência a sociedade atual. Em um futuro não tão distante, o homem já colonizou Marte e vive no planeta em uma sociedade definida por castas. Darrow é um dos jovens que vivem na base dessa pirâmide social, escavando túneis subterrâneos a mando do governo, sem ver a luz do sol. Até o dia que percebe que o mundo em que vive é uma mentira, e decide desvendar o que há por trás daquele sistema opressor. Tomado pela vingança e com a ajuda de rebeldes, Darrow vai para a superfície e se infiltra para descobrir a verdade. 'Fúria Vermelha' será adaptado para o cinema por Marc Forster, diretor de Guerra mundial Z.

Eu cheguei a esse livro pela A Rainha Vermelha que as pessoas disseram ser igual, e coisa e tal, e eu decidi conferir. Mas um não tem absolutamente nada a ver com o outro, a não ser a classificação dos subordinados e marginalizados da sociedade serem catalogados como “vermelhos”. Mas a similaridade para por aí. Não sei qual é o problema das pessoas em ver algo que o remete a outro livro e achar que a autora se “inspirou”. Existem coincidências. Pessoas no mundo todo têm as mesmas ideias, e tudo são amontoados de coisas que já vimos ou lemos por aí ao longo da nossa vida toda. Tipo o livro Corte de Espinhos e Rosas, que só porque a Feyre usava arco e flecha disseram que a autora estava copiando a Katniss

Darrow e sua família vivem em Marte. Os maiorais vivem em outro lugar, enquanto Marte é o mundo onde vivem os escravos, operários, que são os vermelhos. Os ouros estão no topo do mundo, são os caras que jamais serão alcançados; como deuses. Eles não são franzinos e mal alimentados como os vermelhos, são fortes, inteligentes, lindos. Da escala de vermelhos até os ouros, todos são identificados pelas suas constituições físicas e um não consegue se passar pelo outro. E é essa a premissa: Darrow se passar por um ouro e remediar o sofrimento do seu povo. Para ser transformado em ouro foi mudado a estrutura corporal de Darrow, facial, capilar: tudo. Ele foi transformado em outra pessoa, tão irreconhecível que durante o tempo todo ele lembra a si mesmo de quem ele é e de onde ele vem. 

Esse livro é demais, só não é foda porque é previsível e isso tirou a grandiosidade dele. É o natural do leitor fazer conjecturas, mas quando ele acerta fica um pouco decepcionado. Imagina prever tomadas decisivas da história? Acontece que o autor dá muito ênfase em certas coisas que nos dá a impressão que determinado acontecimento vai surgir, e surge. Só não é completamente decepcionante porque o livro realmente é bom e envolve. 

Esse livro tem grande pegada da Jornada do Herói, e do começo até o fim é como se eu estivesse lendo um livro de herói mesmo, o que não deixa de ser. Eu acho que um personagem principal tem que ter atitude, e isso Darrow tem até de mais. Ele inclusive chega a fazer escolhas estúpidas e arriscadas. O livro é escrito e narrado por homem, mas tem um pouco de romance junto com ação e mais ação. Porém, os acontecimentos são brutais. No começo mesmo do livro, pela pegada impiedosa que ele tem, já fiquei com medo e imaginando o que aconteceria com o Darrow caso fosse descoberto que ele não era um ouro e sim um vermelho. Então se corroer, ficar nervosa, agitada e ansiosa pode acontecer nesse livro.

A coisa mais legal é que em meio a isso em que tudo pode acontecer, eu torci muito para que determinados personagens não morressem: como Mustang (não apenas sendo interesse romântico de Darrow, mas ela é representada como uma forte personagem feminina comandante de seu próprio time); Darrow, claro; Roque e Sevro. Vou ler o segundo livro com certeza, principalmente porque eu quero confirmar algo que eu acho que vai acontecer. Acho que eu posso até apostar um dinheirinho nisso. Contraditoriamente espero que Pierce Brown escreva o que eu tenho esperado, o que vai apimentar toda a história daqui pra frente!

3 comentários:

  1. Oi, Viviane!
    Gente, o Pierce chorou com essa comparação com A Rainha Vermelha hahahhahahah
    Agora que vai sair o último livro, vou começar a ler essa série.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Helloo, Viviane!! Tudo numa nice?!
    Eu já li esse há algum tempo. Para mim, melhor livro da vida! É tanto que depois que terminei a obra do Pierce fui ler outras e não estava conseguindo engatar nada. E aconteceu que nessa época, depois de ler Fúria Vermelha eu conferi Rainha Vermelha e detestei ver a parada das cores porque eu já tinha lido o livro do Pierce então... *-* Eu tô com Filho Dourado aqui já a algum tempo, mas não quero ler ainda, estou poupando! Mas depois dessa sua resenha animada vou retomar a estória do Brown lacrador. Eu amo Sevro e Mustang também. Acho que o Darrow é um dos poucos protagonistas que eu realmente gosto nesse mundo literário. Mal posso esperar para Bienal porque o autor vai vir!! *-*
    Ótima resenha.
    Beijin...
    http://piecesofalanagabriela.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Fiquei meio nhé durante a leitura da primeira metade do livro pois eu ficava cansada da forma melosa que o Darrow mencionava Eo, mas como a história se mostrou foda para frente, mencionando e quebrando muita coisa sobre a sociedade em um clima mais sci-fi <3

    http://deiumjeito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir


Obrigada por comentar no Estilhaçando Livros. Se você tiver um blog deixa seu link que vou retribuir a visita com o maior prazer.