22/06/2016

Resenha: Vida após a morte


Título: Vida Após a Morte
Autor: Damien Echols
Editora: Intrínseca
Páginas: 400
Onde comprar: Amazon | Submarino
Aos dezoito anos, Damien Echols foi apontado como líder de um grupo satanista e principal responsável pelo assassinato de três garotos de oito anos em West Memphis, no Arkansas. Após um julgamento marcado por falsos testemunhos, provas manipuladas e histeria pública, em 1994 seus amigos Jason Baldwin e Jessie Misskelley foram condenados à prisão perpétua, e Damien foi enviado ao corredor da morte, onde aguardaria sua execução. As irregularidades gritantes no desenrolar do processo, bem como a apatia dos advogados de defesa, chegaram ao conhecimento do público dois anos depois, quando a história conquistou repercussão mundial através de um documentário. Nos anos seguintes, foram produzidos outros três documentários sobre o caso e a causa foi abraçada por celebridades de Hollywood, que se empenharam vigorosamente para que a justiça fosse feita, o que culminou com a libertação do trio de West Memphis em 2011.

De fato eu não sou uma leitora de não-ficção e muito menos de biografias, entretanto quando a história de alguém me desperta curiosidade eu sinto a necessidade de ler o que essa pessoa tem a dizer. Foi assim que aconteceu com Damien Echols. Conheci seu caso com o filme Devil's Knot (protagonizado por Reese Witherspoon e Colin Firth) em meados de 2015 e pela curiosidade que o filme me despertou eu acabei lendo sobre a história e assistindo a quatro documentários que contam sobre o caso. Fiquei fascinada e horrorizada com tudo o que ele passou junto com seus dois amigos.

Eu não sou uma pessoa conhecida pela minha sensibilidade, acho que até pelo contrário. Mas me vi algumas vezes extremamente emocionada lendo os relatos dele. O livro não conta, exatamente, sobre o caso West Memphis Three (os três de West Memphis). As passagens que Damien relata sobre o caso ficam mais para o final do livro e ele apenas narra como foi para ele aqueles dias que antecederam sua prisão e um pouco do julgamento. O livro é muito mais focado na vida dele antes do fatídico evento. E bom, o que eu posso dizer é que é triste. Muito triste.

Damien desde criança não teve uma vida fácil. Ele reforça diversas vezes o quanto sua família era pobre a ponto de eles passarem frio dentro da própria casa no inverno pois não tinham aquecedor (usavam o forno em uma tentativa falha de aquecer a casa), além de morar em locais duvidosos. Nunca se sentiu amado, nunca sentiu que tinha um lugar para chamar de lar. Quando se tornou adolescente seu único refugio eram os livros e a música — e ele nunca iria imaginar que seria justamente isso que usariam contra ele no tribunal. O livro também conta como ele conheceu sua esposa, Lori Davis, além de falar sobre acontecimentos que o marcaram dentro da prisão, a repercussão de seu caso com algumas pessoas famosas e principalmente sobre religião e o sistema carcerário americano.

Fotos anexadas no livro. Damien com a esposa e ao lado Damien ao lado do cantor Marilyn Manson e ao lado de Johnny Depp (um dos artistas que apoiou publicamente o trio e se tornou amigo pessoal de Damien).

O que mais me chateia na história dele é a forma como a justiça de seu país tratou o caso. O julgamento não foi feito através de provas e evidencias e sim pela aparência. Como Damien se vestia perante a sociedade (algo como hoje nós conhecemos como gótico), as músicas que ele gostava de ouvir (heavy metal) e os livros que ele gostava de ler (ele é um grande fã de Stephen King, além de naquela época gostar muito de ler livros sobre wicca). Ele era acusado de ser líder de culto satânico somente por suas caracteristicas e gostos (algo que, alias, nunca foi provado).

Como deu para perceber eu faço parte das pessoas que apoiam e acreditam na inocência do trio, mas acho que neste caso cada um deveria tirar suas próprias conclusões assistindo ao documentário. Eu sinto que poderia falar tanta coisa sobre Damien no post, mas seria um textão para ninguém já que pouquíssimas pessoas se interessam por esse tipo de história. A única garantia que posso dar é de que o livro vale a pena ser lido, principalmente nas passagens em que o autor anexa textos que ele escreveu nos seus anos no corredor da morte e algumas cartas que escrevia para Lori. Tem passagens bem emocionantes que da aquela vontade de chorar e outras que podem deixar as pessoas em choque — principalmente aquelas pessoas que babam ovo para os EUA e acha que este é um país perfeito e etc.

quotes
— (...) não é bom ficar pensando nessas coisas. Ou eu desperdiço minha energia me concentrando naquilo que não posso mudar ou conservo minha energia e uso em pequenas coisas que posso mudar.
A maior parte das pessoas no mundo exterior olha diferente para você se descobrirem que você já esteve preso. 
Um penteado ruim, um guarda-roupas preto, 'poesia' adolescente cheia de angústia e uma queda por bandas de cabeludos - isso é suficiente para que você seja mandado para a prisão. Mais ainda, para o corredor da morte.

Para quem Netflix fica a dica o documentário West of Memphis que da um resumão sobre o caso. 

9 comentários:

  1. Oi Sil, tudo bem? Eu não conhecia esse caso :P
    Mas é um assunto delicado né? Porque as vezes você tem "provas", mas a pessoa não é culpada. As vezes nao tem, e ela é.
    Ou então, a justiças simplesmente declara uma coisa ou outra. É um tema e tanto.
    Meu marido baba muito para os EUA. Quer dizer, agora não tanto mais, depois de eu contar tantas coisas assim.
    Beijos
    https://profissao-escritor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nossa, como eu ainda não conhecia esse caso? Vou até pesquisar sobre esse documentário pra entender melhor o que aconteceu, parece algo bem polêmico que deixa as pessoas divididas e no final ninguém sabe se era verdade ou não.

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Sil!
    Eu não sabia desse caso.
    Não sei se leria o livro, mas vou dar uma olhada nesses documentários.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção de aniversário do blog Crônica sem Eira

    ResponderExcluir
  4. Histórias reais são sempre carregadas de sentimentos. Não conhecia o livro, e pouco da história, mas já achei interessante :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bom?
    Dei uma breve pesquisa no google e entendi a história melhor, um assunto bem complicado, é triste ver uma pessoa sendo culpada quando se é inocente.
    Também não sou muito fã de biografias, mas daria uma chance a esse livro sim.

    Sessão Proibida

    ResponderExcluir
  6. Genteee que livro maaaais foda!
    Já vou anotar aqui pra minha lista de leituras <3
    http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi
    eu não sou muito de ler livros desse gênero, mas sua resenha me deixou curiosa, nossa ele foi acusado só por ser diferente, muito estranho que nem investigaram direito.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Uma leitura interessante, todo mundo acha que EUA é um país perfeito, eu assisti o vídeo de uma garota que foi pra lá de intercambio ela dizia que lá o negócio é rígido, diferente do que nós vemos em filmes em que as pessoas estão em situações divertidas fazendo palhaçada, na verdade eles são quietos, reservados. Enfim, situações como essa que levam as pessoas a serem julgadas severamente pela aparência é muito forte por lá.

    ResponderExcluir
  9. achei esse livro nas Americanas bem baratinho e comprei! Quero ler até o mês que vem! Me interessei muito pela sinopse.

    Vou até anotar o nome do documentário aqui pra assistir depois também! Valeu a dica =D

    Colecionadores de Livros

    ResponderExcluir


Obrigada por comentar no Estilhaçando Livros. Se você tiver um blog deixa seu link que vou retribuir a visita com o maior prazer.